:: GATMO Grupo de Apoio ao Transplantado de Medula Óssea ::

Existem algumas situações que são comuns a todos os pacientes, é bom saber que outras pessoas se sentem assim. Esclarecimentos sobre o diagnóstico e a doença são importantes e facilitam a compreensão do tratamento. No momento do diagnóstico e no decorrer do tratamento, a presença da família e de pessoas íntimas é essencial para apoiar e confortar o paciente. A união é fundamental! Muitos pensamentos e reações são apresentados pelos pacientes e seus familiares:

O momento do diagnóstico:

• Ficam paralisados pela noticia;

• Não conseguem pensar em nada;

• Revolta – Porque comigo? Porque o meu marido? O meu filho? ;

• O olhar para o paciente é outro – "como será o amanhã?" – "Haverá amanhã?";

• É possível conversar sobre o assunto com o familiar doente?

• Dá para ignorar o diagnóstico? Por quanto tempo?

• Os pais se sentem muito culpados, acham que erraram!

Processo de elaboração da notícia:

• Todos começam a catar os "cacos";

• Tentar compreender diagnóstico, que bicho será este?

• Como fazer para enfrentá-lo?

• Onde eu posso me informar? A melhor fonte de informação é a do profissional que atende ao paciente. Isso varia de caso para caso. Não se baseie em informações relacionadas a outros pacientes. Sua doença ou de seu familiar tem características individuais, tanto no diagnóstico como no tratamento.
Muitas pessoas começam a dar palpites que são horríveis! Podem confundir muito

"Procure colher informações com o médico"

Enquanto isso... E o paciente?

O paciente em geral "nega", até não poder mais. Salvo exceções, o paciente demora mais para colocar as informações em ordem. Muitas vezes só começam a cair as fichas quando os cabelos caem ou alguma alteração física acontece.

• É difícil conversar sobre a doença, é difícil pensar na possibilidade da morte;

• Muitas vezes o paciente não quer deixar a família preocupada, então não fala;

• O paciente precisa da família precisa de alguém que esteja ao lado. Pode não mostrar, pode não solicitar, mas tenha certeza que estar ao lado, disponível para o que ele precisar e quando ele pedir é importante. Um amigo, uma pessoa de fora do núcleo familiar ou um psicólogo pode ser de grande ajuda.

Às visitas no hospital:

Na maior parte das vezes os amigos e familiares não sabem o que falar, como agir e o que levar.
Não é fácil permanecer um longo período internado, ninguém gosta.
O que fazer para melhorar a situação? Traga um agrado, uma coisa que lembre sua casa, um retrato, um livro, o travesseiro...

O tratamento

• Para tornar as coisas mais claras é importante conhecer as etapas do tratamento, os efeitos colaterais, os prazos e como serão avaliados os resultados. Pergunte tudo para o médico faça uma lista, escreva.

• Mantenha um ambiente de harmonia, procure manter um bom diálogo com a equipe médica e com a enfermagem;

• Procure se informar, sobre a nutrição, a fisioterapia, a assistente social e a psicóloga.

• Todos podem passar informações valiosas. No hospital é que se aprende o que é ser "paciente", é preciso muita PACIÊNCIA E DISCIPLINA.

Mantenha uma atitude positiva e confiante.
A vontade de viver, de se curar é nossa grande força.

• As medicações, os exames, todo o tratamento requer muita disciplina e limita muita a vida do paciente.

• O paciente vai agredir aquele que ele sabe que está por perto e que sabe que o amor é garantido! Normalmente ele extravasa nas pessoas que estão por perto. Aos familiares: sejam também pacientes!





Desenvolvimento e Hospedagem de sites